• SAC   0800 - 163333     SAC@COBRAROLAMENTOS.COM.BR
    • Twitter
    • Facebook
    • Youtube
    • LinkedIn
5/13/2013 13 de Maio - Dia Nacional do Automóvel
No dia 13 de maio se comemora o Dia Nacional do Automóvel.Desde sua criação, ele vem transformando a relação das pessoas com o espaço, aeconomia mundial e atividades urbanas.

O primeiro veículo motorizado, produzido com propósitocomercial, era bem diferente do que conhecemos agora. Movido à gasolina, tinhaapenas três rodas e foi produzido em 1885, pelo alemão Karl Benz. Depois deleoutros modelos surgiram.

Em 1892 Henry Ford produziu o primeiro Ford na América doNorte. Já na Inglaterra o Lanchester foi o pioneiro, seguido por outros comoSubean, Humber, Riley, Singer e Lagonda.

Segundo o historiador e designer automotivo Marco FontanaGerbis, no Brasil e em outros países da América Latina a evolução automotora sedeu somente após a Segunda Guerra Mundial, a partir daí os fabricantes partirampara uma linha de produção mais barata, os automóveis passou a ser compactos efabricados em séries. “Na década de 30, fábricas estrangeiras, como a Ford eGeneral Motors, instalaram sua linha de montagem no país. Porém, foi somente em1956, durante o governo de Juscelino Kubitschek, que as multinacionaiscomeçaram a produzir no território Nacional”, explica.

Com o passar dos anos inúmeras mudanças ocorreram. No séculoXX o carro assume um novo papel.  Osveículos se tornaram mais confortáveis, rápidos, silenciosos e seguros. Novosvalores foram criados e agregados. Uma indústria milionária emergiu e tratou deestabelecer conceitos antes inimagináveis.

Segundo Gerbis o que era usado exclusivamente para encurtardistâncias passou a ser reconhecido com símbolo de status e estilo de vida. Nolugar de máquinas eficientes, objetos de desejo ocupavam as garagens e oimaginário de homens e mulheres.

Atualmente a história é diferente, muitos acusam o automóvelde ser um grande poluidor, consumidor de combustível e causador decongestionamento. Em diversas partes do globo, pessoas passam a gostar menos docarro e considera-lo um mal necessário.

Talvez o problema não seja o excesso de veículos, mas sim afalta de espaço. Planejamento urbano, educação e respeito são pontosprimordiais para que uma reflexão seja válida, para o historiador, temos umlongo caminho pela frente. “Cabe à sociedade e aos governos procurar novassoluções, comportamento e políticas públicas. Mobilidade urbana, transportescoletivos, veículos elétricos e combustíveis limpos são apenas algumas dasinúmeras questões que devem ser consideradas”, conclui.

 

Fonte: Jornal Minas Motor Show